Só eu não me lembrava do Ed Motta?

Posted on 14/05/2011

0


“[Estou] em Curitiba, lugar civilizado, graças a Deus. O Sul do Brasil, como é bom, tem dignidade isso aqui. Frutas vermelhas, clima frio, gente bonita. Sim porque ooo povo feio o brasileiro, (risos). Em avião, dá vontade chorar (risos). Mas chega no Sul ou SP gente bonita compondo o ambiance (risos)”

“Mulher feia tem que ser mega competente (risos). Se não, é Paula Toller nas cabeças (risos). Linda, burra e sem talento”

“Mulher feia tem que cantar igual Sarah Vaughn, se não eu não tenho tempo hahaha!”

O autor dessas elegâncias é um indivíduo conhecido por aí como Ed Motta. Confesso que tive que fazer algum esforço para me lembrar quem era, que era um músico e não um ator, e, puxa, sobrinho do Tim Maia. Mas definitivamente, não consegui me lembrar de nada sem ter que recorrer ao Google e ao Youtube. De acordo com a Folha (que é de onde copio as passagens), ele soltou esses comentários em sua página do Facebook, e, como queria, incomodou alguém:

“E tu bonitão? A cultura chata que tu vive, a grosseria que emergiu destes dois infelizes comentários, também não és um arquétipo de beleza”.

A fina resposta:

 “Ô, xará, aprende comigo que é o máximo que você, mortal medíocre, pode fazer. Eu estou num plano superior, te respondi só porque tens o meu nome, mané. Essa porra é um lixo e eu tenho pena de ignorantes como você… Brasileiros… A cultura que eu vivo é a CULTURA superior. Melhor que a maioria, ‘ya know’ [sabe]?

Bem, como já disse, nem me lembrava quem era esse cara, mas imaginei por um momento que ele cantasse muito, já que chamou de incompetente e sem talento a Paula Toller (que ao contrário dele, sabia quem era). Mas quando vou vê-lo no Youtube, nada demais… parecia um cantor qualquer de karaokê, empolgado, mas… bem, gosto é gosto, mas não imagino que seus fãs o defenderiam dizendo que sua voz ou performance são fora de série (coisa que dá para dizer da Sarah Vaughan). Talvez pela letra das músicas ou outro fator, que também desconheço.

Pela acidez com que fala de beleza, também pensei por um momento que talvez ele fosse o tipão boa pinta, mas aí eu já estava abrindo suas fotos na Internet. Novamente, cada gosto é um, e eu mesmo reconheço sem problemas que não recebi a bênção da natureza no quesito beleza (como se isso importasse de verdade, afinal). Ainda assim, sou bem consciente de que homem com rosto que parece ao contrário, com pêlos embaixo quando deveria haver em cima (estilo Enéas Carneiro), não são exatamente o estereótipo do galã.

Sua silhueta também não é a de um típico protagonista da novela das oito. Eu imaginava que quem fosse gordo fosse capaz de não cair nesse tipo de discurso que separa no olho quem é e quem não é bonito, coisa que é largamente imposta pela mídia mercadológica, porque basta se ver no espelho e depois ligar a TV. Mas claro que não; ponto negativo pro Ed Motta.

E a prepotência elitista? Ainda falando em beleza, sua cor também não me remete ao fenótipo padrão das colônias europeias instaladas no sul do Brasil, se é que é isso que ele chama de beleza. Aliás, pelo que diz, parece até que Curitiba não faz mais parte do Brasil. E para quem se arroga tanto de estar numa cultura “superior”, pelo menos a escrita correta de “Vaughan” cairia bem…

Em suma… se as letras de suas músicas tiverem a mesma profundidade de suas ideias expressas nesses comentários, então pra mim ele não se salva nem pela aparência nem pela competência. De onde se conclui que na opinião dele, a competência só é necessária para mulher feia, e não para homem feio. Assim fica tudo bem…

… ou não. Alegou que não sabia que o seu Facebook era aberto, e veio lá depois pedir desculpas:

“Reconheço que fiz comentários infelizes, como isso das mulheres feias. Mas todas as pessoas fazem isso nos bares, em casa”.

Nessas a emenda sai pior que o soneto. Além desse pedido de desculpas não convencer em nada, o cara ainda entrega que é um baita dum hipócrita. E de tabela coloca o gênero humano no mesmo balaio que ele. A “superioridade” cultural foi pro vinagre, não?

“Depois das loucuras, eu não tenho como consertar, só posso lamentar e ficar com uma vergonha gigante. Mas tudo bem, [eu] assumo meu erro”.


É, agora é hora de você correr atrás dos fãs que perdeu, como qualquer mortal medíocre. Bom, dá para dizer que gente como eu, para quem Ed Motta já estava no ostracismo, voltou a se lembrar dele. Acabou conseguindo mais uns 15 minutinhos de fama… e um pouco mais que isso de ex-fãs.

Só em um comentário é que dou alguma fé. Não que seja qualquer novidade, mas saído da boca dele fica um bom exemplo autoexplicativo.

“Coisa horrível, o ser humano deu errado demais”.

Ah, isso sim… mas ao contrário de você, não me excluo da maioria, não, viu? Este mundo é uma porcaria mesmo.

Anúncios